domingo, 18 de dezembro de 2011

003 On The Move


E assim sem razão aparente arrombas a porta dos meus sonhos, fechando-a à tua passagem, que cruel victoria tens tu sobre mim que indefeso me perco nas amarras do dilema será na realidade um sonho ou enfim um pesadelo, uma tortura e um prazer, tocar os teus cabelos e sentir o seu cheiro traz-me água à boca e lágrimas aos olhos, confesso a minha fraqueza pois não me agarras, deixas-me solto até me incitas a fugir, reconheces o mal que me fazes, sabes-o tão bem, mas os meus lábios procuram os teus, enquanto o meu âmago berra persistentemente para fugir.
Sinto-me a afogar, o teu beijo suga a vida de mim e eu acordo, atordoado, passo a mão pela cara e sinto suor e lágrimas.
Sento-me na cama e sinto o peso dos meus braços caídos sem força, a grande esforço levanto-me aproximo-me do espelho e reviro os olhos ao pensamento que me ocupa a mente. DEVIAS TER FUGIDO.... Pois devia. Mas escravo sou e a paciência para colar todos os cacos do coração que partido deixas-te escapa-me.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Best of Me Part. 8

Words I Never Said by Lupe Fiasco, shout out to him, well he fired me up and I just got his beat and did the rest. Hope once again you like it would be the last time I got a lyric up before moving to Netherlands to work so this a bit about how life in Portugal feels like and a final word before this move...

Original Song

http://www.youtube.com/watch?v=22l1sf5JZD0&ob=av3e

Beat

http://www.youtube.com/watch?v=dND4y3uXLVg


Born on fallen country

all of Europe want us to burn away

looking out for their money

no one wanna help today

now I gotta move

now I gotta run

while Sarkozy and Merkel say that where done

they call it a union

so why not act as one

this Europe is not passion

after all is just a fling

while Milan lives with fashion

some of us have a dream

we lack the great leaders

we lack the peace makers

Athens eaten by fire

we have no fire fighters

such amazing countries

so why should people die

hungry for some pie

angry for no change

getting hopes up that this is just a phase

banks going crazy that the money is not enough

that the rules are too much

but the lack of their control got us here in the first place

and if democracy open is mouth they show us their ugly face

in reality their Moody's

and we are getting Poor's

there is not Standard in crying face

faced with a stomach hitch

that becomes a notch can you rate that Fitch

Fuck that shit




It's so loud Inside my head

With words that I should have said!

As I drown in my regrets

I can't take back the words I never said

I can't take back the words I never said

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Best of Me Part. 7

Random song about something else - Bfiftytwo

Epah ao ouvir OkGo o primeiro verso começou a surgir do nada... a partir dai achei este instrumental eu sei que há uma musica mas nem a ouvi para nao me influenciar... portanto... fiquem

http://www.youtube.com/watch?v=OzV4v8l8L-g

 00:15
I dont care about songs
that my radio plays
I don't I care about the time I waste
in this place

00:31
I'm observing the moon
reaching out to the sun
getting my fears away
if I have some
if i make mistakes
sorry to the reason holders
sorry to the truth seekers
dancing around the reapers

chorus
00:55
This is just a random song
this is just about < something else

(< = break)

01:07
you wouldn't find in me troopers
army's or navy's
weapons to attack
just a dangerous heart
feeding from vultures
getting sidetracked
by the random acts of worthless
meaningless living

01:33
I'm observin the rain
clearing out the blood stain
that you left behind
that you wouldn't even
think about healing
and burst my lungs screaming
without knowing why
cause I know this wont change even if pigs fly

chorus
01:58
This is just a random song
this is just about < something else
(< = break)

02:10 (Change)
marks from a tire
arsonists fire
and from the looks of it
kamikaze dropkicks
track of movie flicks
crazy bike tricks
loving fat chicks
lesbian cunt licks
dirt and desire
political liar
nothing to else say

02:40
let me get some closure
or is this just a rupture
fucking sanity
running far from me

sábado, 29 de outubro de 2011

002 On The Move

A vida não é mais que um grande esforço de malabarismo, se temos sonhos agarramos-os com ambos os braços, depois metemos a esperança sobre os sonhos, a isso junta-mos as amizades, amores e família, sobre os ombros a experiência e sabedoria, agrilhoados pelos calcanhares arrasta-mos o peso do dinheiro e da sociedade, e com isto o mundo manda-nos correr sem deixar-mos cair nada...

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Best of Me Part. 6


Esta é solta, spur of the moment, nao sei o que me deu... mas fica... pera...... lembrei-me vem depois de ouvir o tema Tabu da Mixtape Martataca de M7 com Capicua.

Faço disto fado esforçado,
algo que não há no Evaristo,
sou o aristo,
tenho linhas que nas rectas,
quebram regras,
quatro pontos pro quadrado,
canto o fado, tão pesado,
e o serenar da tua voz,
que a sós,
me deixa naquele estado,
claro que isto é sexual,
chama-me o que quiseres até frustrado,
se amo uma mulher,
já me chamam desgraçado,
perdido no meu estrado,
que na cama, acende a chama,
naquele ritmo de quem ama,
deixa-me tocar,
desnudar,
não tenhas vergonha do teu corpo ao meu olhar,
não viro a cara, 
que repara, 
que não consigo desviar, 
e depois de rara, 
a minha tara,
é te fazer voar, 
para lá de plutão, 
dá-me a mão, 
esta na hora de descolar, 
por ti sou quechua, 
esse é o efeito de ti nua, 
não sou cristão, 
mas peço perdão, 
pois estou prestes a pecar, 
a saliva que na língua,
que na espera insinua,
em antecipação do teu gosto, 
que me faz imaginar, 
a visão do teu rosto, 
já prestes a chegar, 
fecha a cortina, 
que nesta rima, 
este sonho não pode acabar, 
e quando chego ao ponto, 
o revés no meu, 
sinto o teu móvel vibrar...
arghhh e atendes, 
tento te convencer mas não cedes, 
vestes e arranjas-te ao espelho, 
e eu que tenho, 
tanto para te dar, 
no relógio os ponteiros controlam o tempo a passar, 
e eu sem saber o que dizer, 
fiz cara de compreensivo, 
tão passivo, 
com o que estava a decorrer, 
abri-te a porta e deixei de te ver.

se todas as historia tivessem um final feliz...

Capt. 13



tic tac sedutor do relógio consome-me os passos, ainda faltam três kilometros e eu não sei para onde vou, como é possível um homem estar tão perdido envolvido no manto da tecnologia, bússolas, mapas, gps e tudo isso que faz os seres humanos terem sempre um rumo.
Talvez seja a necessidade mítica de sermos Vasco da Gama ou Pedro Álvares Cabral perdemos-nos no imenso oceano urbano que são as cidades de hoje, o granito sobre o tijolo colado com o cimento estruturado pelo aço e acabado em tinta, madeira e ferro de serralharia requintada, como é possível o ser humano viver sem arte das coisas?
Uma amiga minha à uns tempos desabafou uma ideia que levaria a arte até África, mas a arte existe em África, os nosso antepassados nasceram lá, e um ser complexo como nós não vive sem o artífice de criar, talvez seja o nosso segredo mais bem engendrado no âmago da torre de babel que é o nosso cérebro, não vivemos desprovidos de valor criativo somos acima de tudo criadores, apesar de a historia nos atribuir imensos nomes, por exemplo nós portugueses somos os exploradores, divisores do mundo com o nosso vizinho do lado, mas este planeta é demasiado imenso para apenas dois povos o controlarem, ao que a ideia é disparatada por todos os artifícios de Platão a gruta e todas essas merdas, lembras-te ensinaram-nos na escola essas coisas, não podes ser um Arquimedes nu a gritar pelas planícies de África eureka aqui está a cultura, porque de certa forma serias como um alienígena confrontado com a resposta mas nos temos cultura esta aqui, kimbundo sobre papel, makas da língua que o português mutante absorveu, está aqui no no bantu que Mia Couto exige em exportar, está aqui no semba, no kuduro, no kisomba, no crioulo de Cabo Verde e Guiné Bissau, está em toda a parte nos carrinhos de brincar feitos de ingenuidade infantil, nos quadros sobre rocha quente a cal, sobre as tradições dançantes das antigas tribos, está no esquecido Egipto de faraós, em Ceuta depois de varias tentativas de conquista por parte dos europeus, na África do Sul onde o nosso pessoa também chamou casa.
Queremos a força exportar o que nos faz únicos? Serei o único a achar isso idiota?
Depois disso ouvi o Presidente Lula, dizer algo fantástico e deveras real, o mundial vai ser no Brasil e vai estar tudo pronto a tempo, mas desenganem-se os europeus e o seu perfeccionismo demagogo que não vai ser perfeito, de muitas razoes vive um Brasil pulmão do mundo, de muitas teorias vive essa mesma terra, os portugueses diziam que os brasileiros eram preguiçosos e por isso importavam africanos para trabalhar, escravos, navios negreiros cheios de guerreiros do reino do Congo, e depois desse legado acha-mos que a arte carregada desse valor de muitos anos de exploração vai fazer a diferença no desenvolvimento desses países? Acho que o caminho correcto seria apoiar essas nações no melhor entendimento das suas culturas para que as mesmas possam se desenvolver, pois quem esquece a historia arrisca-se a que ela se repita, e não queremos de forma alguma voltar a ser colonizadores e reacender essa chama negreira de tantos anos.
O mesmo se aplica ao Brasil pais evoluído que respira de cultura artística de uma personalidade sem igual quando ergue o punho e diz não duvidem de nos pois somos e sempre seremos assim, mas fazemos e temos feito ate agora, ate olharem para nos com olhos de potencia mundial e não um apenas mais um pais da América doSul...
Se alguma coisa demos de boa a estes países foi uma personalidade vincada.
Um olá ao mundo desses países que considero irmãos, e uma desculpa imensa pelos males causados pelos meus antepassados, ou estarei também deturpado na mensagem porque na realidade os meus antepassados também eram desse continente imenso e fantástico que é África?

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Best of Me Part. 5


Burn after reading - 50, 51, 53

Oh clarify my toughts
in the smoke of this cigarette
oh let me live my lights
and the last goodbyes
that i meant
so
stop, going crazy about
my flaws and my dreams
and this rainy cloud
that stops overhead
when i sleep
i know that you love me
and the fantasy of the future
i should have

sometimes is good to go away
to stay inside
and relax
but my body hackes
to make mistakes
in the unknown times

so break away of this addiction
life is a crazy contradiction
go with the flow
of this river
let it go

one last day
we might get to play
you and me
your guitar strings
my voice
my words of choice
i love you...

sábado, 17 de setembro de 2011

Best of Me Part. 4


"sec 30" 

Letter for you Mr. Politician - Bfiftytwo + Visceras

Oh mr politician 3x

I grow tired of your lies
i just cant shut my eyes
Im not blind
and i can see what what you doing

im not laying on the floor
waiting for you to step on me
to step on my family
fast growth on your account
for your numbers i dont count

anymore, anymore
no no no no no

Oh mr politician
this cant go on
tell me what to do
point me way to go
you trying to reuducate my mind
trying to control what say why oh why

Oh mrs politician 3x
You say the young are our future
our future
then you call me over
to take their wrights
a hot meal on the table
this is all ask

Oh Mrs. Politician
this cant go on
tell me what to do
point me way to go

and there you are saying what you cant do
Sitting up there, the whole world beneath you
You got the finger on the button
don't let it be forgotten
we gave the power
we made you stronger
so you can protect us
from the pain of this abiss
from the pain of this misery

Oh Mr. Minister
this cant go on
tell me what to do
point me way to go

Now, is it so much to ask
mr. minister
Take a look at our past
And realise what we see
how strong we can be
the problem ain't us
That the problem ain't me
The problem it's them
The rich and powerfull
where will their money go?
the connections and all their gold
can make the world halt
with just two finger talk
you dont have them charged
otherwise they'll hide
please just chose your side
please just chose your side

Credit to the instrumental producer thank you for the inspiration and Simao Valente aka Visceras for the help
Credito para o produtor do instrumental, obrigado pela inspiracao e para o Simao Valente aka Visceras pela ajuda...

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Best of Me Part. 3


Isto e para ser imaginado com um fantastico som leve i slow tempo the blues um pouco ao estilo de the doors...

My Road

I crack my whip and i dont care
if i trust in gold i dont fucking swear

but all my words are made for sharing with you

cracking down your silhoutte
and all i see is your cigarette

no women in the world would make me beg
but here i stand wondering what wear
here i stand wondering what wear

long down this crazy roads
this tarmac show some wonder worlds

be still so i can confide
without your taste i cant survive
your dark skin takes me away
oh those breasts make me wanna play
like those games this kids are in
last place i wanna be

if you kill make sure i am the one to blame
some people want to run away
but my baby dont go cause want i to stay
baby dont go cause i want to stay

fled this town on a merchant ship
my baby told me young boy dont trip
cause i know i must hide from this law
oh sorry it was i crime i did not saw

and this damn pigs wanna pin on me

i wrote a letter from the other side
this man in lisbon just gave me a ride
just going on for a place to strive
paris on the fall sure is nice

cmon darling im missing you

roaming on my own trough this city lights
this town is full of romantic sights
in the eiffel tower i saw your smile

cmon just wanna get back to you
cmonnnnn just wanna get back to you

so lady tell me was that crime so wright
to keep us appart
i listen to this music but all want to hear is your heart

cmon im going crazy without you

Best Of Me Part. 2


If I can/Se puder




Gotta break the addiction

Face my life with a brand new intention

scars stay while the skin grows thicker
another someone like you sounds simpler
when in truth must be harder
cause if i had a team u would be my starter
you and me destroying all the rules
then i would feel the strength to defeat the 93 bulls
call me Pippen and you would just like mike
wanna feed your force strike after strike
but we just break up so you can return to the bating cage
and what is left of me besides rage
and if life is like a movie why do i feel I'm in a stage
wishing i could make love potions just like a mage
 want you to strike out so i could move just one base
i don't call it revenge call it even and move to the next phase
call me pussy for what i said
fuck you i have the wright of being pissed
and after all everyone calls me stupid
for once more trusting the cupid

todos cometemos erros
after all we do have flaws
et cest fini
let me tell you what i can see
as tuas costas voltadas
and you running for the hill

não te pedi um refrão
não espero alegria numa canção
que perdida não escapa a aos sussurros
que no fim de contas apenas entras nos números
apenas metrologia
depois de tudo vives na minha fantasia
serei eu hipócrita e dizer que te esqueci
que ainda desabrotas nos meus sonhos tal qual a primeira vez que te vi
que sobressalto ao imaginar o que perdi
que me matam as palavras para descrever o que vi em ti
realmente aquilo que sei e que palavras não conseguem amar
e que o que te disse ao ouvido não foi suficiente para te fazer ficar
mas perdido no que estou a dizer regresso a linha inicial
que apesar de em inglês tem um sentido literal
a realidade e que sem esquecer segui em frente
e que apesar de tudo continuo crente
a felicidade não se procura encontra-se

todos cometemos erros
after all we do have flaws
et c'est fini
let me tell you what i can see
as tuas costas voltadas
and you running for the hill

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Best Of Me Part. 1


Bem para salvar algumas das melhores letras que escrevi e publiquei no Facebook vou postar aqui...

Razão

"Se este sentimento não se apaga
e no corpo desgastado de batalha só propaga
lembra a letra desgatada
no caderno preto que lembra
a cada folhear se tenta
retraçar a história
que suspensa apenas sustenta
uma vida promissória
e se voltar a ostentar palavra
prometo que ninguém me trava
são rimas e batidas desta geração escrava
numa luta parva
contra o poder que não para por nada
sem consciencia do que somos a revolução retarda
mas quando partir martir serei
as memórias levarei
e se encontrar o individuo a que chamam deus
prometo dar-lhe um estouro por ter levado os meus
e pela injustiças a mim e aqueles que amo
hipocrita de merda, e eu já tão insano
se as marcas no meu corpo têm significado
juro que ainda faltam marcas para ter clarificado
que se me vou embora não é por vontade
é por falta de possibilidade
mas eu volto
levo comigo a mente com que me solto
e a experiencia de um louco
que deu tudo por pouco
mas o que me deram foi suficiente"
Bah so gostava de ter um beat destes.... Radio Inactive - Blueprint

sábado, 4 de junho de 2011

001 on the move

Onde param as mimhas lágrimas? Terei eu secado de esperança naive de um futuro risonho, terei perdido o rumo incerto que tinha?
Continuo perdido, a todo o momento sem me achar, continuo a amar alguem que nunca me deu grande significado, o que esta de errado comigo, permanente idiota num filme a preto e branco omde o amor espera e quando ataca e avassalador e acaba sempre ao jeito mais shakespiriano possivel, ate que a morte nos separe, aqui fora o mundo e horrivelmente cao, o amor se existe ta mais perdido que eu, e se vamos em direcçoes opostas como o conseguirei eu achar? Como? Cada vez menos acredito que exista, vive em suspiros de prazer e palavreado manipulador em que somos enganados, o amor e fodido, ouvi dizer, entao porque raio temos que o sentir, merda passava tao bem sem isso, achei, as lágrimas, deixem-me ir embora, quero voar, quero mesmo voar, nem que tenha que dar uma volta ao mundo vou tentar achar, esse pequeno tesouro, mas agora sei que nao esta aqui, talvez volte ca para apanhar os pedaços dessa esperança naive que estao espalhados por esta cidade, por hoje morro na esperança de ressuscitar. Ps. O amor e uma merda...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Capt. 12





































Capt. 12



Sentado na falésia, João mira o sol desaparecer e apagar-se no oceano, sozinho sonha enquanto as suas mãos percorrem as teclas de um piano imaginário, num tributo ao pôr do sol, na sua imaginação correm ninfas, noites, vidas, já nada tem significado, a vida muito menos, apenas a música, esta fuga de nome "Ode ao pôr do sol", vem como uma epifania consensual, a harmonia é tudo o que importa, sentado na arriba, o som é belo e envolvente, a maresia cá fora, no seu interior a melodia que apenas ele ouve, não partilha, aliás perdeu o tacto e o faro das tecnologias desde o vinil.

De manhã escreveu na sua máquina de escrever, a carta, pela alvorada, muito cedo, velho, tão velho que já nem dorme, tão idoso que já nem descobre, isso da nova era da informação, portanto nesse inicio de dia, ouve a décima quarta sonata de piano de Beethoven, preenche-lhe a busca, a busca deste dia, num calendário que não estende para além de 1999, o mesmo que não vê um virar de página desde Julho de 1997, Julho, a ironia da data que lhe destruiu a vida, porque assim se chamava ela, a sua tágide, Júlia, musa e musico percorreram o mundo ao som das cordas do seu piano, aquele que agora é apenas imaginário nesse abismo em que descansa João.

Ele sente-se velho, viu o mundo dar tantas voltas, nestes anos todos, idoso, mas lembra-se das vezes em que chegava a casa esgotado, concertos, pessoas para conhecer, voltas ao mundo, etc., despe a sua gabardina pousa-a no sofá e dirige-se ao quarto, ao longe através da porta entreaberta já se ouve a musica francesa que ela adorava, Edith Piaf com o L'Hymme à l'amour, entrava no quarto, ela sentada à janela a ver a chuva miudinha bater na janela e escorrer de forma tão lenta, ele toca-lhe a face de forma tão carinhosa como tocava a mais bonita balada nas teclas de marfim, com a outra mão pousada sobre o seu ombro, toca as notas que a estéreo fonia debitava, e ela timidamente cantava, chega-se ao seu ouvido e diz o quanto adora a sua voz trépida, a edith ajuda-me, respondia ela, mas contigo aqui a canção toca-me, agarra-lhe a mão que pousava sobra a sua face e diz je t'aime, e ele afavelmente beija-a, logo a seguir, dirige-se aos discos e como se nem por acaso escolhe Louis Armstrong, e diz, preciso de me lembrar como é o mundo contigo, preciso mesmo, ela sorri, um dia pintas tu uma musica tão bela e positiva, e dedicas-me a mim Jô, responde ela, já te disse Ju a pintora aqui és tu, sobre a cama encontrava-se um quadro imenso do mais belo pôr-do-sol, sobre uma falésia o laranja e o azul do mar misturam-se perfeitamente, o mais belo quadro que ele alguma vez vislumbrara, o sorriso desaparece da sua face, não digas isso, pintora já não sou, agora correm lágrimas pela sua cara, tal e qual como na janela, levanta a mão e mostra-lhe como ela treme, ele vira a cara enquanto serve um whisky para si, dirige-se à sua mão estendida pega nela com intensidade, aproxima-se e beija os seu lábios húmidos de choro, tu cá dentro ainda és a pintora mais fantástica que alguma vez vi, enches de cor as minhas composições, ela abana a cabeça afirmativamente, ajuda-me a dormir, ele levanta-se retira-lhe o roube e auxilia o movimento até à cama, ela deita-se e ele ao som da estática do vinil, senta-se no cadeirão a apreciar o seu doze anos e a observá-la enquanto ela tenta adormecer, entretanto pergunta-lhe, juras-me que um dia compões uma melodia com todas as cores que esta alma de artista que dizes que tenho, ele sorri e responde, é o que faço todos os dias "musico-te".

Nunca lhe disse juro, prometo que o faço, no verão a seguir, disse-o, nem que fosse a ultima coisa que faça, sem filhos nem família o álcool acompanhou os seus dias desde então, os amigos foram desaparecendo à medida que a sua carreira musical ia desvanecendo no fundo da garrafa de vinho, nesta altura já não tinha capital para o seu adorado whisky, 14 anos à procura dessa pintura melódica que prometera pintar, nada lhe agradava, nenhuma era perfeita, a frustração tomou conta dele tal como tinto, era ai que a afogava, misturado com dor e lágrimas, na prateleira junto do já poeirento disco de Armstrong ainda se encontrava uma garrafa de Whisky a mesma dessa noite, era para beber quando conseguisse cumprir a sua promessa.

Hoje ao amanhecer escreveu uma carta, e encheu um copo desse fabuloso doze anos, bem agora tem vinte seis, depois de saborear, releu a carta e a pauta, e dirigiu-se para essa falésia.

Enquanto tocava a sua ode ao piano invisível, apenas via o ritmo e as cores misturarem-se sobre a imagem dela, sorria enquanto atingia o pináculo da balada no exacto momento do lusco fusco, e terminava da forma mais bela e suave, como todo o carinho com que tocava nela e fazia a musica tocar-lhe, que ela adorava, e com um sorriso parvo nos lábios tira as mão das teclas, respira fundo, abre os olhos e grita para o oceano, consegui, que ecoa nos confins do mesmo e volta até ele.

Com um esforço dorido e mudo, lança-se à espuma provocada pelo rebentamento nas rochas.







Na máquina de escrever a carta apenas dizia Obrigado, sobre a mesa a partitura para piano da "Ode ao Pôr-do-Sol" e a sua garrafa de Whisky por acabar.

terça-feira, 22 de março de 2011

Capt. 11

Capt. 11

Pela noite...
Pele. Pérola.... TU ....
cores que não distingo na escuridão de te querer, perco noção do tempo, e tu não e repetes, tenho de ir, e repetes mais um beijo, doce e ardente.
o cheiro da tua pele nua, leva-me longe e preenche-me a alma da calma de uma maresia nocturna, de uma maré sem pressa.
o teu corpo espanta-me os teus lábios prendem-me em suspiros, parcos, lentos, deixa-me que te embrulhe e aperte, só mais um beijo, só mais um entrelaçar de dedos, só mais uma caricia por esses cabelos longos, ciumentos, que de quando em vez cobrem a tua face, feitos pano de teatro, que desvia-mos complacentemente para que o espectáculo continue, só mais um vislumbre dos teus seios, adoro sentir todo o teu corpo, deixa-me perder a cabeça, para nunca mais a encontrar, e quando te vais não digas nada sobre a minha cara, sou apenas eu já a ressacar de ti....

sábado, 19 de março de 2011

Clip Quinta-feira, 17 de Março de 2011

Quinta-feira, 25 de Novembro de 2010 escrevi:


Como vos posso explicar o meu estado de espírito actual, a minha definição é BAHHHHHHHHHHH. ontem de manhã acordei abraçado a uma pessoa, hoje com uma barreira entre nós e amanhã nem juntos vamos estar, duvido que os nossos corpos voltem a tocar a mesma cama simultaneamente, não estou minimamente confiante de ser escolhido, deixei hoje ao sair dessa cama escorrer uma lágrima com aquele sentimento de que foi a ultima noite juntos que provavelmente dei-te o ultimo beijo naquele mesmo sitio, e o meu cérebro força a separação do que possivelmente foi a ultima caricia, fecho a porta por trás de mim, e a minha cabeça voa para longe, tão longe, perdido na rua demoro a escolher uma direcção, e a minha mente longe, tão longe, o meu peito aperta, e eu respiro fundo, o frio corta-me o nariz, nas asas do pensamento vim até quase às 5, um dia longo, outro, e o meu peito aperta neste momento, tenta esmagar a minha esperança, esse pequeno e poderoso feixe de luz que a minha alma luta para proteger, o corpo doi-me, e algumas lágrimas acham o caminho para fora de mim, o que fazer? o que pensar? os prós e contras, e como se o diabo e o anjinho, o tiko e o teko discutem dentro da minha mente, diz o teco - tu nem tavas apaixonado por ela, porque tás assim? tico - não, mas podia me apaixonar. - Podias mas assim é melhor... - Como melhor? Gostava de ter a chance de me voltar a apaixonar, voltar a ter outra pessoa com quem partilhar o sono, um beijo, um abraço, e eu raramente acho alguém que queira mesmo ter ao pé de mim. - Isso para a cama qualquer gaja serve... és parvo há mais peixe no mar. - Gosto mais de calor sincero, e beijos verdadeiros... mas isso são gostos né? - És um idiota pah, fico lixado de ser um neurónio num sitio em que pensam como tu, tantas mulheres ai e tu assim. - Sim elas são muitas, mas eu procuro gente única, com um brilho unico. -Fdx.

A minha vida não passa de um carrossel, uns dias feliz, nos seguintes não... que pena... que pena...

Hoje muitos meses depois vejo que a realidade muda, e que as certezas voam com o vento, nas mãos da vontade humana e da química que nos une... hoje apenas espero que o meu magnetismo seja forte o suficiente para te voltar a atrair...


"Se o meu sorriso é parvo... deixa-me sorrir... faz-me tão bem..."

sexta-feira, 11 de março de 2011

Clip Terça-feira, 8 de Março de 2011


"That's what people do they leap and hope to god they can fly, cause otherwise we just drop like a rock wondering the whole way down why in the hell did i jump, but here i am Sarah falling, and there's only one person in the world that makes me feel like i can fly, it's YOU"

Retirado do filme Hitch, fitting... Bem daqui a pouco voltamos à escrita a sério...

segunda-feira, 7 de março de 2011

Capt.10


Capt. 10


"Um escritor de alguma forma nunca amará nenhuma mulher à face da terra, porquê? Porque a criatividade que o alimenta de histórias também lhe trás a mais avassaladora proficiência para criar musas e tágides lindíssimas... Mas que escritor vagueia na perfeição sem se perder nos erros?" in Facebook

Diz ela: Gosto da maneira como escreves!
Digo: Como sabes se escrevo sequer?
Já te vi... escrever! Gosto da forma como
olhas o vazio, os teus olhos ficam intensos e ao mesmo
tempo tão cheios de nada!
Já te vi???
Sim, claro, agora mesmo......

E vi-a afastar-se no meio da confusão nocturna do bar.

À noite no meu blog escrevo:
Quem és tu???
Anónimo escreve: Sou quem ainda não
conheces...

Nas lides da minha vida o mesmo café de sempre,
o meu blackbook, uma caneta e um cappucino.
Olho a rua, através da mesma o mar, o melhor local do mundo para escrever,
as pessoas inspiram-me, o movimento estimula-me.
Sinto a imaginação a fervilhar!

De repente ao ver o mar perder-se na linha de horizonte,
no meu ângulo de visão aparece ela, eu já a vi, digo para mim,
mas onde?, entra no café onde escrevo, passa pela minha mesa
e quando se apercebe que a observo faz uma expressão estranha, entra no balcão
sem olhar para trás, e vestes um avental, o uniforme desse
estabelecimento, já te vi... penso eu...

Escrevo pela noite no meu blog:
Que cara foi aquela?
A empregada do café: O mar é mais bonito
que eu, porque lhe perdeste o interesse
e olhas-te para mim? Por causa do teu ego?
Eu escrevo: Tens razão,
não te minto, o mar é mais bonito, admito,
o meu ego levou-me a ler-te os movimentos,
parecidos com os do oceano em si, leves, certos, ligados
à terra, mas ao ver-te
....

a minha mão perdeu-se

....

Tenho medo do amor, mas quem tento enganar,
todos temos medo desse monstro sagrado.
Quem tentas tu enganar com essa cara?
Escondes apenas um sorriso!
Isto sim é o meu ego a falar.
Mas aviso-te, a merda é que os escritores
não sentem!
Deixam que as personagens ame e sofram por eles!
Sol escreve: Adoro a
sinceridade com que escreves!

Começa o meu dia, sinto a maresia atingir-me a face,
sinto-me bem, egocêntrico talvez,
os meus piropos habituais, desta vez a senhora da papelaria
onde compro tabaco, cora, estou confiante,
e quando estamos confiantes as coisas soam de forma diferente
a nossa voz ecoa nas paredes do ouvido,
toca os tímpanos profundamente,
e atinge no âmago,
tem esse poder, agora gostava que a sol
me explicasse o porquê de tanto gostar da minha escrita
quando esta voz é tão mais poderosa.

Entro no café, revolvo os olhos nas suas órbitas à procura
dos seus olhos, mas sem sucesso, sento-me, peço o habitual
e espero, espero te ver.

Não apareces....

À noite escrevo:

no mar vejo reflexos
na lua o passado
na reflexão, ilusão
nas passadas pretextos
para qualquer homem ser levado
a cair em paixão
Sol escreve:
Viste isso tudo no mar ou apenas imaginas-te alguém?
Escrevo:
Se é imaginação não o sei,
vejo-o tão real como as cores
do dia!
Ela escreve:
As cores às vezes são pura imaginação.
Escrevo:
Não são, vejo-te a ti irradiar as ruas e não
o teu homónimo astro.
Pergunto-me no entanto nesta hora tardia,
será que à noite brilhas com a mesma intensidade,
capaz de iluminar a escuridão.
Ela escreve:
Vem ver por ti próprio, estarei à beira do oceano que observas todos os dias, procura-me, quero ver o teu olhar clarificar a maré, intenso.
Adoro o teu olhar quando me observas.

E assim fui, perdi-me na brisa nocturna, marítima, cerrada, fria,
à procura do meu farol, da minha luz.




sábado, 5 de março de 2011

Capt. 9


Capt. 9

Já não sei o que escrever o que diga, gostava tanto que me amasses.

Quais são as palavras mágicas?

Diz-me eu juro-te que as repito o melhor que souber!

Será amo-te? Nunca te disse, tive medo de te assustar.

Devia ter-te pedido para ficares mais um pouco!

Mas pedinte não sou, ou serei?

Quantas vezes te disse amo-te, depois, tarde, tarde demais.

E isso faz de mim um pedinte.

O que serei eu, confirma-me, serei um bom amante? Serei um bom homem? Serei alguém que se deseje passar a vida ao lado? Serei sequer desejável?

Disseste-me que era gostoso!
Será que disseste-lhe o mesmo?

Não quero pensar nisso, e juro-te que os meus pensamentos são mais profundos neste momento, no que devo pensar eu?

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Capt. 8

Capt. 8

Aos pés da montanha enorme de palavras, frases, poesia e prosa, aos pés do meu caderno, desabafo o meu peito, e fiquei por ali na estática impermanente do electromagnetismo do monitor, aos pés desta pilha gigantesca do léxico, perco-me nas letras, das palavras que não sei se são adequadas.

Desculpa
Desculpa pelo o que digo, apesar de ter esse direito abdico dele.

Respeito
E quando este se for embora e ficarem apenas pessoas.

Niilismo
Não devia querer saber destes porquês

Amor
É fogo que arde sem se ver, é olhar no espelho e ficar triste por não te ter, alguém disse-me uma vez que amor é na realidade quando o que nos aproxima é maior que o que nos afasta....

Passagem
Estou de partida, estou no ir, mas desejo-te tanto...

Desejo
Aquilo que não apago da alma...........

Olhos
O que mais gosto em ti, o brilho que uma noite vi...

Inevitável
Tinha que acontecer....

Paixão
Aquele clarão de luz que me fazia correr para os teus braços depois de um dia cansado...

Medo
O que me resta depois da entrega............

Esperança
Algo imortal......

Amizade
O carinho que me faz abrir um portal para o poço da alma para agarrar forças que não tinha....

Entrega
O que te dei, e não recebi de volta.

Dor
O que resta....

E no sopé olho o cume, estará lá em cima a palavra certa, começo a subir, deito ao chão todas as outras que caiem em significados dispersos, lá em cima agarro-me à palavra mas a mão escorrega, eu em esforço puxo-me com todas as forças que tinha e que não tinha, gritei de esforço, berrei com mais um empurrão, debruçado sobre a palavra, perco-me na leveza do desmaio, na descida desamparado, de costas estatelado no chão na sala vazia da minha alma o eco seco de um corpo de 93% de água a aterrar no chão plano, a 80km/h um corpo de 82kg pesa para cima de uma tonelada, o som ecoa, e eu no meu ultimo suspiro digo-te a palavra de olhos fechados pois é a única que podemos dizer dessa forma.


Não consigo de forma nenhuma descrever o significado de quando fechamos os olhos e somos embalados pelo perfume de outra pessoa largamos-nos na queda, fugidia, perdida, relaxada, cegos que vamos ser agarrados antes da queda, antes do som seco do nosso corpo atingir o solo, tacto, olfacto, visão, audição e paladar, relaxam sentem-te em todos os 5, o toque da tua pele, o teu perfume, olhar-te nos olhos, o som da tua voz e o teu sabor, fé, os meus sentidos vagueiam.